Conecte-se conosco

Polícia

Polícia prende passageiro com arma de fogo e munições dentro de ônibus em Formoso do Araguaia

Publicados

em

Uma denúncia anônima levou os policiais militares do 4º Batalhão a prender um indivíduo, 33 anos, que portava um revólver e 100 munições, ambos de calibre 22, dentro de um ônibus intermunicipal. O fato aconteceu na tarde dessa quinta-feira, 11, na BR 242, próximo a cidade de Formoso do Araguaia.

Uma equipe da Força Tática patrulhava pela cidade quando recebeu as informações sobre o porte ilegal de arma de fogo no interior do ônibus. No momento que o veículo saía do município foi interceptado pelos policiais e após as buscas localizaram os materiais ilícitos e seu responsável.

O passageiro disse que viajaria até Gurupi para entregar o revólver a um comprador, mas foi impedido devido à atuação dos policiais. Diante das circunstâncias, o autor, a arma e as munições foram encaminhadas à delegacia para os procedimentos cabíveis.

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

MPE denuncia prefeito de São Bento por tentativa de homicídio

Publicados

em

O Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Araguatins, ofereceu, nesta terça-feira, 18, denúncia criminal em desfavor do prefeito de São Bento do Tocantins, Ronaldo Rodrigues Parente, acusado de tentativa de homicídio contra quatro pessoas. O crime ocorreu no dia 09 de abril quando o acusado, portando uma arma de fogo, se dirigiu até a casa do vereador Adelson Rodrigues de Araújo, por volta de 20h, e fez 10 disparos com o fim de atingir o interior da residência.

De acordo com a denúncia, no interior da casa do vereador estavam quatro pessoas que só não foram atingidas porque se esconderam debaixo dos móveis.“O denunciado assumiu o risco de produzir o resultado morte no momento em que decidiu disparar contra a residência do vereador, tendo plena ciência dos efeitos que poderia ocasionar e tendo se mostrado indiferente quanto aos resultados possíveis da conduta”, disse o Promotor de Justiça Guilherme Cintra Deleuse na denúncia.

O Promotor de Justiça sustenta que o crime foi praticado por motivo fútil e com uso de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas, pois foi motivado por discussões em redes sociais e realizado por meio de ataque repentino. A conduta está tipificada no art.121, § 2º, II e IV, do Código Penal.

Apesar de o prefeito ser detentor de foro privilegiado por prerrogativa de função, a competência da ação penal é da comarca de 1º grau de Araguatins, por força do entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), que restringiu o foro privilegiado apenas a crimes praticados no exercício do cargo e em razão dele.

Continue Lendo

Polícia

Polícia prende duas pessoas em Alvorada acusadas de posse de drogas

Publicados

em

 

Na noite desta quinta-feira, 13, o 4º Batalhão prendeu em Alvorada dois homens, 21 e 22 anos, ambos acusados de posse de drogas. Com os autores a PM encontrou 16 pedras de substância entorpecente análoga ao crack, um papelote de maconha e um pino de cocaína.

A intervenção da PM aconteceu durante patrulhamento, ocasião em que uma equipe de Rádio Patrulha (RP) se deparou com três pessoas em atitude suspeita. Elas estavam ao lado de um veículo estacionado no acesso ao aeroporto municipal, quando os policiais patrulhavam a região.

Durante a abordagem e busca pessoal e no veículo, os militares localizaram os entorpecentes no interior do automóvel. Os dois homens confessaram que os produtos lhes pertenciam. Uma mulher que integrava o grupo foi arrolada como testemunha.

A dupla recebeu voz de prisão em flagrante e em seguida foi conduzida juntamente com o produto entorpecente e apresentados na delegacia Central de Flagrantes de Alvorada para os devidos procedimentos.

Continue Lendo

Polícia

Denúncias oferecidas pelo MPTO resultam na prisão de agente de polícia civil

Publicados

em

 

Duas denúncias oferecidas pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO) resultaram na prisão do agente de Polícia Civil da Delegacia de Couto Magalhães Robson Jacques Garcias, acusado de torturar pessoas com o fim de obter informações e confissão. A medida, requerida pelo Ministério Público, tem a finalidade de garantir a ordem pública e a instrução processual.

Na primeira denúncia criminal, Robson Jacques Garcias, em ação conjunta com o escrivão de Polícia Civil Cristiano Alves Xavier Gouveia e o servidor público Washington Luiz Ribeiro Lacerda, estes dois da Delegacia de Pequizeiro, no mês de maio deste ano, no Município de Couto Magalhães, constrangeram, com emprego de violência e grave ameaça, duas pessoas com o fim de obter declaração e confissão acerca de furtos praticados na região de Peixelândia.

Segundo restou apurado, os servidores da Polícia Civil teriam ido até as residências das vítimas, que foram algemadas e colocadas no porta-malas de um veículo e em seguida levadas até uma construção abandonada, às margens do rio. No local, os dois homens foram amarrados pelas mãos no telhado da construção e despidos, ocasião em que começaram as sessões de agressão por meio de socos e golpes de telhas e ripas. Além disso, tiveram suas cabeças colocadas em sacos plásticos e os órgãos genitais puxados com o uso de uma corda. Laudos médicos apontaram que uma das vítimas teve fratura nas costelas em virtude das torturas.

Outro caso
A segunda Ação Penal à qual responde Robson Jacques Garcias trata do mesmo crime, também cometido na cidade de Couto Magalhães, contra um homem a quem havia sido expedida uma ordem de busca e apreensão e de prisão temporária, pela acusação de tráfico de drogas.

As agressões teriam ocorrido no dia 04 de janeiro de 2019, no momento em que o agente, acompanhado de outros policiais, ainda não identificados, adentraram a residência da vítima com o fim de que este dissesse onde escondia a droga que seria destinada ao tráfico. As agressões resultaram na fratura de dois arcos da costela.

Os casos estão sendo acompanhados pelos Promotores de Justiça de Colméia, Rogério Rodrigo Ferreira Mota e Luma Gomides de Souza. Além do pedido de prisão, o Ministério Público aguarda a análise da Justiça quanto ao pedido de afastamento cautelar dos demais envolvidos. Eles enfatizam que é importante que outras vítimas sintam-se seguras em denunciar eventuais casos, já que existem suspeitas de tortura de outras pessoas.

Continue Lendo