Conecte-se conosco

Polícia

Polícia Civil do Tocantins prende em Goiás suspeito de estupro em Caseará cometido há 20 anos

Publicados

em

Suspeito de cometer estupro no Tocantins é preso pela Polícia Civil no Estado de Goiás

Na manhã desta terça-feira (9), uma ação conjunta realizada por policiais civis de Caseara (TO) e de Ipiranga de Goiás (GO), resultou na prisão de um indivíduo de iniciais R.R.A., de 63 anos, o qual foi capturado, mediante cumprimento a mandado de prisão preventiva, em Goiás.

De acordo com o delegado Antônio Onofre de Oliveira da Silva Filho, constam dos autos que, em meados de julho de 1999, o suposto autor levou a vítima, um jovem de 14 anos, para dar uma volta de barco às margens do Rio Coco, em Caseará, e o constrangeu à prática de relações sexuais.

Além disso, R.R.A. é apontado como o mandante do incêndio ao Parque Estadual do Cantão, localizado naquele município. Conforme investigações de outro inquérito policial instaurado na DPC de Caseara, em dezembro de 2011, após ter uma carga ilegal de pescados apreendida pela Companhia Independente de Polícia Militar Ambiental  (Cipama) e Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), R.R.A. teria se revoltado com os agentes públicos e, em maio de 2012, ordenou um ataque contra o símbolo de preservação da natureza no Tocantins, que é o Parque Estadual do Cantão.

Após intensa troca de informações entre as policias civis dos dois estados, R.R.A foi localizado e preso pela força-tarefa montada pelas Polícias Civis tocantinense e goiana. Após ser capturado, o idoso foi recolhido à Unidade Prisional de Ceres (GO), e está à disposição do Poder Judiciário da Comarca de Araguacema (TO). Ele deve ser recambiado ao Tocantins, a fim de que possa responder aos crimes que lhe são imputados.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil conclui primeiro inquérito da Operação “ONGs de Papel”

Nessa fase da operação, foram indiciadas três pessoas

Publicados

em

Os valores desviados, mediante repasse a apenas uma das entidades investigadas, ultrapassa os R$ 15 milhões

A Polícia Civil do Tocantins concluiu na sexta-feira, 12, o primeiro Inquérito Policial referente à operação ONGs de Papel, que investiga suposto desvio de recursos de emendas parlamentares em convênios com instituições sem fins lucrativos. Nessa fase da operação, foram indiciadas três pessoas, as quais integravam o núcleo do esquema criminoso e agiam como operadores, sendo-lhes imputados os crimes de peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

No sábado, 13, o Poder Judiciário ainda converteu em preventiva a prisão de um dos alvos da operação. Ele estava preso temporariamente desde o dia 4 de julho. O segundo suspeito também recebeu mandado de prisão preventiva na última quinta-feira, 11. Já a terceira pessoa indiciada foi liberada e vai responder em liberdade.

De acordo com o delegado Gregory Almeida, em três anos (2015-2018), os valores desviados, mediante repasse a apenas uma das entidades investigadas, ultrapassa os R$ 15 milhões.

Ainda segundo o delegado, outros inquéritos policiais serão instaurados com o desdobramento da investigação. “Pretendemos apurar se outras pessoas se beneficiaram dos valores desviados dos cofres públicos ou se auxiliaram de alguma forma na ação de lavar o dinheiro desviado”, afirmou.

 

Continue Lendo

Polícia

Grupos de Ajuda Mútua dão apoio a dependentes químicos e familiares durante e após recuperação

Seciju orienta dependentes e co-dependentes a procurar o serviço desenvolvido pelos grupos de ajuda mútua

Publicados

em

Os Grupos de Ajuda Mútua acontecem através de reuniões abertas entre pessoas que queiram compartilhar e buscar soluções para problemas comuns

A Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), por meio da Gerência de Prevenção contra as Drogas e Núcleo de Atendimento ao Dependente Químico e Famílias (Núcleo Acolher), tem promovido a recuperação de dependentes químicos por meio de atendimentos e orientações especializados, inclusive para os familiares, bem como articulação de serviços públicos e a inclusão nos grupos de ajuda mútua, a fim de possibilitar a reinserção social da pessoa que lida com problemas de dependência química ou de qualquer espécie, e para dar apoio as famílias, durante e após o processo de recuperação.

Os Grupos de Ajuda Mútua acontecem através de reuniões abertas entre pessoas que queiram compartilhar e buscar soluções para problemas comuns dentre eles de forma voluntária, não existindo cobrança financeira para participar. “O trabalho desenvolvido por essas organizações possuem um impacto positivo no tratamento dos adictos e co-dependentes, por isso orientamos que procurem o serviço desenvolvido pelos grupos de ajuda mútua, como Alcóolicos Anônimos (AA), Narcóticos Anônimos (NA) e Amor- Exigente”, explicou a responsável pela área técnica da Gerência de Proteção Contra as Drogas, Shenya Ramos.

Reuniões

B.L.M.F, 43, é membro do AA e NA, e explicou que os grupos de ajuda mútua são importantes para que o participante consiga enxergar o seu problema em um outro contexto e tenha apoio durante a sua recuperação. “Há sete anos, quatro meses e 19 dias estou sem utilizar nenhum tipo de entorpecente. É importante salientar que o adicto está sempre em tratamento. E as pessoas que encontrei nas reuniões de grupos de ajuda mútua me fizeram acreditar que eu conseguiria lidar com o meu problema”, ressaltou.

12 passos

Nas reuniões de AA e NA são trabalhadas a metodologia dos “12 passos”, que são orientações que vão desde a aceitação do problema, à percepção exata das falhas até a ajuda ao próximo que possa estar vivendo situação semelhante. “Partilhar a minha experiência é a melhor forma de ajudar. Eu sou um milagre!”, disse orgulhoso, B.L.M.F.

Onde buscar ajuda

Gerência de Prevenção contra as Drogas – 3218-6728

  • Palmas:

Quadra 104 Sul, Conjunto 4, Lote 7A, em frente a Capital Veículos

Conselho Estadual sobre Drogas – 3218-6728

  • Palmas:

Quadra 104 Sul, Conjunto 4, Lote 7A, em frente a Capital Veículos

Núcleo Acolher – 3214-6104

  • Palmas:

Quadra 704 Sul, Alameda 20, QI 24, Lote 1

Narcóticos Anônimos (NA) – 98444-8589

  • Palmas:

Quadra 105 Norte, Alameda Buritis, Lote 01, Igreja São Judas Tadeu

Dias: segunda-feira, quinta-feira e sábado

Quadra 904 Sul, Paróquia Dom Orione

Dias: terça-feira, sexta-feira e sábado

  • Araguaína:

Avenida Conêgo João Lima, nº 2.415, 2º andar, sala 3, Centro

  • Gurupi:

Avenida Maranhão, entre as ruas 1 e 11, Paróquia Santo Antônio

Alcoólicos Anônimos (AA) – 3215-4165 ou 9.9222-8894

  • Palmas

Quadra 103 Norte, Rua NO 7, nº 07

Dias: segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira

Quadra 405 Norte Alameda 7, nº 7

Dias: terça-feira e quinta-feira

Amor Exigente (AE)

  • Palmas – 3225-3524

Quadra 204 Sul, Alameda Jandáia, Salão Paroquial da Igreja Santa Filomena

Dia: Quarta-feira

  • Gurupi – 9.9986-0106

Avenida Maranhão, entre Ruas 01 e 11, Salão Paroquial Monsenhor Geraldo Torres

 

Continue Lendo

Cidades

Estelionato virtual está no ranking de crimes mais praticados no Tocantins

Publicados

em

O estelionato virtual ocupa o primeiro lugar no ranking dos crimes praticados na internet, segundo dados da Polícia Civil do Tocantins. Os dados mais recentes registram mais de 200 ocorrências no Estado. Em 2017, o Brasil se tornou o segundo país com o maior número de crimes cibernéticos do mundo.

Para o Consultor de Tecnologia da Informação da Sim Internet, Marco Pollo Mendes, ações simples podem ser tomadas para evitar crimes cibernéticos. “É importante usar sempre em todos os aplicativos a autenticação de dois fatores, que é um recurso oferecido por vários prestadores de serviços online, que acrescentam uma camada adicional de segurança para o processo de login da conta, exigindo que o usuário forneça duas formas de autenticação. Isso ajuda a deter o infrator e evita que a pessoa se passe por você”, explicou Marco Pollo.

O Consultor esclarece ainda que é necessário ter cuidados também com aplicativos, porque eles coletam dados. “Qualquer aplicativo que é instalado no celular, que não é de origem confiável, pode fazer alterações no seu equipamento e recolher dados, dando permissão para executar diversas tarefas que podem ser prejudiciais a vida da pessoa. Por isso, o cuidado deve ser redobrado quando falamos sobre segurança na internet”, completou.

Continue Lendo

Notícias