Conecte-se conosco

Cidades

Janeiro é o mês de conscientização do tratamento da hanseníase

Publicados

em

Janeiro é o mês para reflexão, combate e conscientização para o tratamento de hanseníase, que é uma doença transmissível que acomete, principalmente, a pele e os nervos periféricos, que são os nervos motores (dão ordens aos diferentes músculos para se contrair) e sensitivos (transmitindo as sensações da zona do corpo).

Segundo especialistas, a hanseníase pode atingir rosto, olhos, orelhas, nariz, braços, mãos, pernas e pés. Demora de dois a sete anos, em geral, para o aparecimento dos primeiros sintomas. A doença pode causar deformidades físicas, mas isso pode ser evitado com diagnóstico precoce e tratamento imediato.

Em Gurupi as Unidades Básicas oferecem o tratamento gratuito. Segundo a coordenadora do Programa de Combate à Hanseníase, Ludiane Ramos, a pessoa que constatar alguma alteração na pele como manchas esbranquiçadas, acastanhadas ou avermelhadas, ou, dormência, pode procurar a UBS mais próxima, onde o médico fará a diagnóstico clínico e, caso, confirmada a doença, o paciente será acompanhado por um período de seis a 12 meses conforme a gravidade. Pode se ressaltar que há outros sintomas como nódulos (caroços), diminuição ou queda de pêlos em algumas áreas do corpo, especialmente, nas sobrancelhas; e diminuição ou ausência de suor em áreas específicas do corpo, dentre outros sinais.

A coordenadora explica que a hanseníase é classificada como multibacilar, que é a mais grave devido o diagnóstico e tratamento tardios e o paucibacilar, a doença de maneira mais leve e diagnóstico precoce. Em Gurupi, existem 109 pessoas em acompanhamento com a hanseníase multibacilar e 15 com a paucibacilar.

A Policlínica é referência e pacientes que estão em tratamento que sofrem alguma reação são acompanhados na unidade. A Coordenadora ressalta que ainda existe preconceito em relação as pessoas que têm a doença e explica que a hanseníase é transmissível por meio do contato frequente ou prolongado com a pessoa infectada que não esteja em tratamento. A pessoa infectada transmite, caso não esteja em tratamento, através de tosse ou espirro.

O secretário municipal de Saúde, Gutierres Torquato, alerta sobre a importância das pessoas ao verificar alguma alteração na pele já agendar um atendimento nas UBS’s para que os caso não se agrave e possa ter um tratamento mais célere. Ele também comenta que é necessário que as pessoas deixem o preconceito de lado, pois o tratamento é muito eficaz e a pessoa pode ter uma vida normal.

Nesse mês para conscientizar as pessoas sobre o tratamento a coordenação está promovendo uma série de palestras nas UBS’s, além de blitzen educativas.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Palestra abordando o enfrentamento à depressão e ao suicídio é apresentada em Gurupi

Atividade contemplou cerca de 300 estudantes do Instituto Presbiteriano Araguaia, em Gurupi, município localizado a 230 km de Palmas

Publicados

em

Palestra “Depressão e suicídio” aconteceu para cerca de 300 alunos do Instituto Presbiteriano Araguaia, em Gurupi

 

Servidoras da Diretoria Regional de Gurupi da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) ministraram a palestra “Depressão e suicídio” para cerca de 300 alunos do Instituto Presbiteriano Araguaia (IPA), no município de Gurupi, localizado a 230 km de Palmas. A proposta da atividade, realizada nos turnos matutino e vespertino da última segunda-feira, 13, foi esclarecer dúvidas, desmistificar conceitos e apresentar os caminhos preventivos e de tratamento a serem seguidos por aqueles que convivem com estes males, seja por experiências próprias ou pelas de terceiros.

Responsável por explanar sobre o assunto, a psicóloga da Defensoria em Gurupi, Isabel Cristina Izzo, destacou que, somente em 2019, a Regional gurupiense já recebeu cerca de 30 solicitações para a realização de palestras e discussões, direcionadas a alunos e pais, acerca do enfrentamento à depressão e ao suicídio. A atividade contou, ainda, com a atuação da assistente social Ivone Sousa Carvalho Viana, também servidora da DPE-TO em Gurupi.

De acordo com Isabel Izzo, “o intuito deste tipo de ação é mostrar que há uma luz no fim do túnel, que existe uma saída para os que se veem depressivos ou com pensamentos suicidas. Também destacamos que, sempre, buscar ajuda é o melhor remédio em qualquer situação”, enfatizou a psicóloga. A servidora da Defensoria disse, ainda, que “quando notamos casos que requerem uma atenção especial, nós realizamos os encaminhamentos para a rede de apoio municipal, que possui formação para este tipo de acolhimento”.

Orientação e encaminhamento

Conforme explicou Isabel Izzo, em atuações como esta, “a preocupação deve estar voltada para a orientação e os encaminhamentos que devem ser realizados ao menor sinal de pensamentos suicidas, isolamentos ou tristezas sem motivos aparentes”. Segundo a psicóloga, “como, normalmente, o suicídio não está vinculado a uma única causa, se tratando, muitas vezes, de um acúmulo de fatores complexos experienciados pela pessoa, faz-se necessário buscar informações e, acima de tudo, ajuda, realizando o acolhimento e o encaminhamento para os profissionais da área que são os psicólogos e os psiquiatras”.

Fatores de risco

Acerca do suicídio, Isabel Izzo disse que “a tentativa prévia e a doença mental aparecem como os dois fatores de risco principais, como aponta a cartilha ‘Suicídio: informando para prevenir’, produzida pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM)’”.

Também de acordo com a palestrante, “os fatores de risco incluem alguma perturbação mental como, por exemplo, a depressão, o abuso no uso de drogas, dentre outros, o que leva o indivíduo a um sentimento de não pertencimento, solidão, vazio existencial e de confusão mental”.

Continue Lendo

Cidades

Governador Carlesse participa de consulta do PPA em Natividade e visita projeto Manuel Alves em Dianópolis

Agenda do governador será movimentada nesta sexta-feira, 17, na região sudeste do TO

Publicados

em

O governador do Estado do Tocantins, Mauro Carlesse, dá seguimento à agenda na região sudeste do Tocantins e participará nesta sexta-feira, 17, nos municípios de Natividade e Dianópolis, de reunião com prefeitos e de mais uma edição da Consulta Pública do Plano Plurianual (PPA) 2020-2023. Além disso, o gestor fará vistoria em obras e visitará o projeto de irrigação Manuel Alves e às obras de recuperação das rodovias TO-040 e TO-110 que ligam o Tocantins à Bahia e a Goiás.

O governador Carlesse deverá chegar em Natividade por volta das 9 horas, onde irá se reunir com prefeitos da região para debater as demandas locais. Em seguida, às 10 horas, o Governador fará a abertura de mais uma edição da Consulta Pública do PPA 2020-2023, na Escola Estadual Dr. Quintiliano da Silva.

Dianópolis

Já a agenda em Dianópolis iniciará no período da tarde. Está previsto que o Governador faça uma vistoria nas obras das rodovias TO-110 e TO-040. Em seguida, Carlesse irá visitar o projeto de irrigação Manuel Alves.

As rodovias TO-110 e TO-040 estão recebendo obras de recuperação das condições de trafegabilidade, por meio do Contrato de Restauração e Manutenção de Rodovias (Crema).

A Ordem de Serviços das rodovias foi emitida no último dia 1º de abril. Serão reconstruídos 284,80 km em 11 trechos somente na região sudeste do Tocantins, sendo 214,60 km da rodovia TO-110 e mais 70,20 km da TO-040.

Já o Manuel Alves é considerado um dos mais novos grandes projetos de irrigação, com participação do poder público, no Brasil. Ele conta com aproximadamente 18 km de canais de irrigação e possui um grande lago de 22 km de extensão com capacidade de armazenar cerca de 250 milhões de metros cúbicos de água.

A maioria dos participantes é de pequenos produtores que encontraram, no apoio do poder público, força para garantir a segurança alimentar e a comercialização de frutas, legumes, tubérculos e outros tantos alimentos que já encontram mercado externo.

 

Continue Lendo

Cidades

Mulheres grávidas do CRAS União participam de roda de conversa promovida pela Defensoria Pública

Publicados

em

 

A Defensoria Pública de Porto Nacional em parceria com a Prefeitura Municipal realizou na manha dessa quarta-feira, 15, uma roda de conversa com mulheres grávidas. A finalidade do bate-papo foi esclarecer dúvidas sobre diversos tipos de violência contra a mulher, em especial a violência obstétrica.

Trabalhando em defesa das mulheres que necessitam de acesso à justiça para a garantia dos seus direitos, a Defensoria Pública vem atuando firmemente no assunto, atuando em diversas áreas, como no atendimento às mulheres em situação de rua, encarceradas, as que sofrem violência obstétrica, bem como as atingidas pelas questões raciais, e violência doméstica e familiar.

“A grande maioria de mulheres que morrem no parto sofreram violência obstétrica, e grande parte dessas vítimas são negras”, observou a defensora púbica, Denize Souza Leite.

Para a coordenadora do CRAS União, Cynthia Souza, a sociedade precisa estar em constante busca sobre seus direitos. “É necessário instigar todas as mulheres a buscarem mais conhecimento a respeito dos tipos de violência que existem. Hoje, estamos destacando a violência doméstica que, infelizmente, é pouco conhecida e muito praticada”.

O evento ocorreu no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS União), no setor Vila Nova, e contou com a coordenadora do CRAS União, Cynthia Souza, a equipe de mulheres da Defensoria Pública e a doula, Paulina Bigoni de Oliveira.

Doulas

A palavra Doula vem do grego e significa “mulher que serve”. Essas profissionais dão suporte físico e emocional à gestante em trabalho de parto. Não são parteiras e nem enfermeiras, não substituem a presença do pai, não fazem qualquer tipo de procedimento invasivo, como exame de toque ou administração de medicamentos.

A doula Paulina Bigoni é francesa e, também, assistente voluntária que faz o serviço no Hospital e Maternidade Tia Dedé, em Porto Nacional. “Minha missão é ajudar as mães e oferecer a elas um suporte afetivo e emocional durante o parto”, destacou.

Continue Lendo