Conecte-se conosco

Geral

Projeto de combate à violência doméstica e familiar tem início

Publicados

em

 

Teve início nesta segunda-feira, 22, o curso de capacitação para desenvolvimento do projeto “Desconstruindo o Mito de Amélia”: práticas de reabilitação de pessoas agressoras nos casos de violência doméstica e familiar”. Psicólogos e assistentes sociais indicados pelas instituições parceiras do projeto estarão reunidos até o dia 30 de abril, na sede do Ministério Público do Tocantins (MPTO), em Palmas.

Na abertura do evento, o coordenador substituto do Caop da Cidadania, dos Direitos Humanos e da Mulher, promotor de Justiça Diego Nardo, falou sobre o objetivo do projeto. “Esta etapa visa definir uma padronização de entendimento sobre o assunto, com o objetivo de reduzir os índices de reincidência de violência contra a mulher”.

O projeto “Desconstruindo o Mito de Amélia” foi idealizado pelo Núcleo Maria da Penha do MPE, com base em trabalho realizado em outros Estados, no qual o acompanhamento imposto ao agressor na fase processual ou em cumprimento de medida protetiva evitou, em muitos dos casos, que estes voltassem a cometer o delito.

“O projeto foi pensado como forma de atuar no combate às causas da violência doméstica e familiar, assim como determina a Lei Maria da Penha, pois o que se tem visto na maioria dos casos é que a violência doméstica tem uma base cultural machista e isso tem que ser desconstruído”, explicou a coordenadora do Núcleo Maria da Penha, Promotora de Justiça Jacqueline Orofino.

Em março deste ano, o MPTO assinou termo de cooperação para a realização do projeto, em parceria com Tribunal de Justiça, Defensoria Pública do Estado, Ordem dos Advogados do Brasil, Secretaria Estadual de Segurança Pública, Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Secretarias Estadual e Municipal de Saúde e Polícia Militar.

A ideia é que seja imposta aos agressores a participação em pelo menos 10 rodas de terapia coletivas, que tratarão de diversos temas, de modo que a reabilitação os leve a compreender que os comportamentos possessivos, não reconhecidos por eles mesmos, geram condutas abusivas.

Palestras

22/04

Profª Dra. Gleys Ially Ramos (Universidade Federal do Tocantins)

Franciana Di Fátima – Defensora Pública Estadual

23/04

Lorena Josephine e Suzana Fleury (Delegadas da polícia civil do Estado do Tocantins)

Edvan de Jesus Silva (Cel. da polícia militar do Estado do Tocantins)

24/04

Dhieine Caminski – Psicóloga da secretaria municipal da Saúde

Julianne Freire Marques – Juíza de Direito

29/04

Érica Canuto – Promotora de Justiça do MP de São Paulo

Jacqueline Orofino – Promotora de Justiça do MP do Tocantins

Flávia Rodrigues – Promotora de Justiça do MP do Tocantins

30/04

Prof. Dr. Carlos Mendes Rosa (Universidade Federal do Tocantins)

Francisca Romana (Secretaria Municipal de Saúde)

Emilleny Lázaro (Advogada da Casa 08 de Março)

Elaine Noleto (diretora da OAB/TO)

Flávia Rodrigues (Promotora de Justiça do MP do Tocantins)

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Pecuária de corte e leite tem ampliação de expositores e modernização na Agrotins 2019

Segmento recebe maior quantidade de animais e diversidade de raças, instalações modernizadas com utilização de pré-moldados e qualificação de pastagens

Publicados

em

Nova estrutura foi montada para melhor receber os animais, além de facilitar o acesso a expositores e público

 

Os setores da pecuária de corte e leite são destaque na Feira de Tecnologia Agropecuária do Tocantins (Agrotins 2019), que acontece de 7 a 11 de maio, no Centro Agrotecnológico de Palmas, com acesso pela TO-050, saída para Porto Nacional. O enfoque deste ano no segmento é voltado a investimentos na ampliação e modernização da estrutura dos currais personalizados e pastos de qualidade para o bem estar animal.

Para a médica veterinária da Seagro, Érika Jardim, esse olhar diferenciado do governo estadual se refere ao potencial que o Tocantins possui na agropecuária para alavancar o agronegócio tocantinense. “A pecuária é a segunda atividade econômica com maior ascensão, gera emprego e contribui para o aumento do PIB tocantinense, sendo aplicados investimentos na melhoria na produtividade, incorporando a qualidade tecnológica na genética do rebanho ao sistema produtivo Integração Lavoura Pecuária – ILP”, ressalta.

De acordo com o gerente de pecuária da Seagro, Thyago Túlio, a estrutura do curral e criação de pastos foram instalados seguindo métodos modernos, com currais pré-moldados e novas edificações. “O espaço está sendo construído numa área três vezes maior, se comparada com a anterior, para a pecuária de corte, leite, ovinocaprino e equinos”, ressaltou.

Rebanho

Neste ano, a Agrotins receberá um total de 600 animais das principais raças bovinas, entre elas Nelore, Senepol, Canchim, Guzerá, Gir, Girolando, além dos ovinocaprinos Santa Inês, Saanen, Morada Nova e Dorper e equinos Manga Larga, Quarto de Milha, Crioulo, entre outros. Uma outra inovação na Agrotins 2019 é a exposição estadual da raça equina Manga Larga Marchador.

Agrotins

A Agrotins 2019 é uma realização do Governo do Tocantins, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro) e suas vinculadas, o Instituto do Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), em parceria com instituições públicas, iniciativa privada e entidades de classe ligadas ao setor agropecuário. Mais informações no site www.agrotins.to.gov.br 

 

 

Continue Lendo

Estado

Aplicativo dos Bombeiros contabiliza 23 mil downloads

SOS 193, que auxilia a população em situações de emergência, pode ser baixado, gratuitamente, pela loja virtual do Android, Google Play Store

Publicados

em

Para o desenvolvedor, aplicativo não substitui o atendimento presencial

Desde 2015 o Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins (CBMTO) colocou à disposição da população o aplicativo SOS 193, que fornece auxílio em situações de emergência, com noções de primeiros socorros a serem seguidas pelos cidadãos até a chegada da equipe especializada. Até o momento, o APP contabiliza 23 mil downloads e alcança 10 países.

A plataforma reúne 13 situações, com informações rápidas e imprescindíveis para o público. Entre elas, estão: afogamento, choque elétrico, convulsão, engasgamentos, fraturas, infarto, envenenamento e intoxicação.

Segundo a última pesquisa realizada pelo portal americano APP Annie, em 2017 o Brasil foi ranqueado como o 4º que mais baixa aplicativos. Até 2022 a previsão é que o país supere oito bilhões de downloads.

Conforme o idealizador da plataforma, Rafael Vilarins, à época foi feita uma pesquisa com 150 pessoas, em Palmas, para medir a aceitação do aplicativo. Hoje, ele comemora os resultados. “Com a popularização dos smartphones a plataforma se torna, cada dia, mais aceita. Minha maior satisfação é saber que conseguimos cumprir com o nosso propósito: de alcançar um grande número de pessoas com informações de qualidade e, acima de tudo, contribuir para salvar vidas”, afirmou.

De acordo com o desenvolvedor, sargento Bruno Moraes, o SOS 193 não substitui o atendimento presencial, mas dá à população mais condições de assistência, por meio de uma linguagem simplificada. “Há algum tempo, as pessoas teriam que andar com cartilhas, de papel, para buscar informações sobre primeiros socorros. Com o SOS 193, elas podem consultar as orientações, com uma linguagem de fácil entendimento e acionar os bombeiros pelo próprio APP”, ressaltou.

O aplicativo pode ser baixado, gratuitamente, pela loja virtual do Android, Google Play Store.

 

 

Continue Lendo

Estado

Em Gurupi protocolada ação que pede inclusão de etnia em nome de indígenas de Araguaçu

Ação pede acréscimo do nome indígena “Kanela”, além de pedidos de retificação de assento de nascimento por erros e inconsistências.

Publicados

em

Indígenas da aldeia Crim Pa Tehi de Araguaçu

 

Mais de 170 indígenas podem ter o direito de acrescentar ao seu nome a etnia do qual se origina. Trata-se de um pedido da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), por meio do Núcleo Aplicado das Minorias e Ações Coletivas (Nuamac) em Gurupi, sul do estado, que protocolou ações para o acréscimo do nome indígena “Kanela”, além de pedidos de retificação de assento de nascimento por erros e inconsistências.

Segundo a coordenadora do Nuamac em Gurupi, a defensora pública Lara Gomides de Souza, 10 grupos familiares estão sendo beneficiados com essa ação. “Essas demandas foram levantadas após uma atendimento itinerante da Defensoria, o “Expedição Cidadã”, em 2017, na aldeia Crim Pa Tehi, no município de Araguaçu, quando verificou-se que todos os índios que ali residem, e os da árvore genealógica, não possuem em seu assentamento civil a etnia Kanela do Tocantins da qual se originam”, contou.

Desde então, o Nuamac vem coletando documentos, sendo que, recentemente, foi possível protocolar sete ações que beneficiarão 173 pessoas. Outras nove famílias aguardam para ter seus pedidos protocolados.

Conforme a defensora pública, em razão da aldeia Crim Pa Tehi carecer de demarcação e disponibilização de terras, e ainda por serem hipossuficientes economicamente, não foi possível até o presente momento a formalização do requerimento de inserção da etnia em seus assentamentos pela via extrajudicial.

“Segundo a Resolução Conjunta Nº 03/2012 do CNJ, para a devida retificação nominal é necessário o Reconhecimento de Pertencimento Étnico através da emissão de Declaração de Pertencimento Étnico, declaração esta que somente é expedida mediante a assinatura do interessado na ‘Auto-declaração Étnica’, e a apresentação da Declaração da Comunidade o reconhecendo como indígena. A boa notícia é que toda esta documentação encontra-se juntada aos Autos”, esclareceu.

Vale lembrar que, todo o atendimento da aldeia foi acompanhado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) de Gurupi.

 

Continue Lendo