Conecte-se conosco

Polícia

Polícia Civil conclui inquérito sobre ameaças sofridas por adolescentes através da internet

Autores também eram adolescentes e cometiam os crimes em redes sociais motivados por simples diversão

Publicados

em

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), conclui, nesta segunda-feira (11), as investigações referentes a ameaças sofridas por estudantes de Palmas, através de um perfil falso em redes sociais.

Conforme a delegada Milena Lima, titular da DRCC e responsável pelo caso, as investigações da equipe da unidade especializada apontaram que as vítimas, todas na faixa de 14 anos de idade, eram abordadas por meio de redes sociais e constrangidas a produzir áudios se desculpando por condutas não praticadas, sob a ameaça de que seriam mortas.

Ainda no decorrer dos trabalhos investigativos, a equipe da DRCC teve acesso ao teor das conversas trocadas, em mais de uma ocasião, entre os autores e as vítimas, com relatos de ameaças, como nos seguintes trechos: “Amanhã tu vai me conhecer com oitão na cara […]. Tô ligado onde tu estuda e mora. Vou estourar essa sua cabeça na bala […]”.

Em outro trecho, os autores continuam com as ameaças no intuito de fazer com que a vítima faça um áudio se desculpando: “Vai lá mlkin, teu último dia hoje. Mas vc tem uma chance de se redimir com família comando ainda. Vc quer vais uma chance de viver? Vc manda um áudio pedindo desculpa pra nós aqui da facção daí nós te libera. Ta de boa assim parcero?”.

A situação gerou uma sensação de pânico e humilhação no meio estudantil e familiar. Ainda de acordo com a delegada, os trabalhos investigativos começaram no final do ano de 2017. Diversas pessoas foram ouvidas, inclusive as que emprestaram suas senhas de wi fi, sem saber que a conexão de internet seria utilizada para as realizações das ameaças.

O caso foi elucidado, sendo que os policiais civis constataram que as condutas foram praticadas por outros adolescentes com o objetivo de se divertirem. Os investigados responderão pelos atos infracionais praticados perante o Juizado Especial da Infância e do Adolescente, conforme determina a legislação vigente.

A delegada de Polícia Civil, Milena Lima, alerta para os riscos do compartilhamento da senha de wi fi com terceiros e de aceitar convites de amizade de pessoas desconhecidas.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Sessenta pessoas são presas na maior operação estadual da Polícia Civil contra o crime organizado

Operação é a maior já feita de combate ao crime organizado no Estado, com ações no Tocantins, Goiás, Pará e Piauí

Publicados

em

Foram cumpridos mandados em Tocantins, Goiás, Pará e Piauí

 

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic), Núcleo de Paraíso do Tocantins, realizou nessa segunda-feira, 15, a operação Intramuros. O objetivo foi cumprir mandados de prisão e busca e apreensão contra mais de 70 membros do crime organizado em Palmas e outras 13 cidades do Tocantins, além dos estados de Goiás, Pará e Piauí. Grande parte dos alvos já cumpriam penas por outros crimes nos principais estabelecimentos prisionais do Estado.

Para a Polícia Civil, esta é a maior operação de combate ao crime organizado no Estado, exigindo seis meses de complexo trabalho investigativo. Até o momento, 60 pessoas foram presas e apreendidos 1,5 kg de crack, 1 kg de maconha, além de duas armas de fogo. A operação contou com cerca de 300 policiais civis do Estado, por meio das delegacias especializadas na Repressão a Narcóticos (Denarc), da unidade do Ciopaer, do Grupo de Operações Táticas Especiais (Gote), entre outras unidades da Polícia Civil e agentes do Sistema Prisional do Tocantins.

Segundo o delegado Eduardo de Menezes, responsável pela operação, as investigações iniciaram em outubro de 2018, após uma tentativa de homicídio no pavilhão B da Casa de Prisão Provisória de Paraíso. “Aprofundamos as investigações a partir da ação realizada pelos técnicos em defesa social da unidade prisional para impedir a execução de preso, membro de facção de renome nacional, segregado em um das celas do referido pavilhão. A coleta de informações, realizada pela Polícia Civil, para esclarecer as causas do atentado contra a vida do preso culminou na construção de rico acervo probatório, o qual delineia com exatidão toda dinâmica criminosa da facção, em especial a engrenagem montada por seus membros para o alcance de sucesso na consumação de homicídios, roubos, entre outros crimes praticados em caráter secundário, com o objetivo de garantir a execução de sua principal atividade, qual seja o tráfico de drogas”, ressaltou.

Homicídios

Em entrevista coletiva, nessa segunda-feira, 15, o delegado esclareceu a população sobre os reflexos da luta entre facções nas taxas de homicídios em geral. “Essa rivalidade se estendeu para as ruas e hoje é, sem dúvida, a principal causa dos homicídios ocorridos no Estado [e no país]”, reforçou Eduardo de Menezes, acrescentando que a morte de um criminoso rival é o mais importante ato em favor da facção e reverte ao integrante na figura de uma espécie de pontuação, utilizada posteriormente para ascender na hierarquia da organização.

Durante o período de investigações, o Núcleo da Deic em Paraíso conseguiu esclarecer três homicídios, sendo um ocorrido em Paraíso do Tocantins, e outros dois em Palmas, ambos no mês de setembro de 2018.

De acordo com a Deic de Paraíso, chamou atenção, durante o período de investigação, o estágio avançado de organização que o grupo criminoso alcançou desde sua fundação, ainda na década de 90. Prova disso é sua estruturação em diversos cargos com funções específicas. As principais lideranças atuantes no Tocantins, os chamados Gerais, foram presos na operação dessa segunda-feira, 15. Cita-se, dentre as figuras de maior envergadura, a prisão do Geral do Estado, o Geral do Interior, o Geral de Palmas, o Geral da zona norte de Palmas, o Geral de Araguaína, o Geral de Paraíso, o Geral de Lagoa da Confusão, Geral de Porto Nacional, Geral de Colinas, entre outras.

Contas

As investigações identificaram também que parentes dos faccionados realizaram aberturas de acessos bancários, onde os valores das comercializações seriam depositados naquelas contas. Quatro contas bancárias utilizadas para movimentar o dinheiro oriundo do tráfico de drogas foram bloqueadas.

Cidades

No Tocantins, os criminosos foram presos nas cidades de Paraíso do Tocantins, Palmas, Barrolândia, Lagoa da Confusão, Marianópolis, Chapada de Areia, Cariri, Porto Nacional, Araguaína, Colinas, Guaraí, Tupirama. No estado de Goiás, os investigados foram presos em Aparecida de Goiânia. No Piauí, foram presos na cidade de Marcolândia; e no Pará, em Parauapebas.

Continue Lendo

Cidades

No Sul do Estado, operação ‘Pasto Seguro’ intensifica patrulhamento na zona rural

Publicados

em

Para proporcionar mais segurança à população da zona rural, localizada na região Sul do Estado, o 4º Batalhão de Policia Militar (4º BPM) deflagrou novamente a Operação “Pasto Seguro”, com duração de três dias, foi iniciada na última terça-feira, 09.

Durante a Operação os policiais fizeram visitas aos grandes e pequenos proprietários de terra, além dos trabalhadores rurais.  As ações de bloqueios nas rodovias aconteceram em todo o período da Operação, no intuito dos policiais fiscalizarem a documentação exigida para o transporte de animais.

Os cidadãos que foram visitados demostraram satisfação em receber as equipes do 4º BPM. O dono da fazenda Bom Sossego, Abadio Gomes da Silva, afirmou que se sente mais seguro ao ver uma viatura patrulhando em sua propriedade.

A Operação permite que os policiais aproximem-se mais da comunidade e repassem orientações importantes sobre as ações preventivas de segurança, além de inibir o furto de gado na região.

De acordo com o balanço da Operação “Pasto Seguro” foram visitadas 21 propriedades rurais. Houve abordagem em 50 veículos e 23 pessoas.

Continue Lendo

Polícia

Polícia prende passageiro com arma de fogo e munições dentro de ônibus em Formoso do Araguaia

Publicados

em

Uma denúncia anônima levou os policiais militares do 4º Batalhão a prender um indivíduo, 33 anos, que portava um revólver e 100 munições, ambos de calibre 22, dentro de um ônibus intermunicipal. O fato aconteceu na tarde dessa quinta-feira, 11, na BR 242, próximo a cidade de Formoso do Araguaia.

Uma equipe da Força Tática patrulhava pela cidade quando recebeu as informações sobre o porte ilegal de arma de fogo no interior do ônibus. No momento que o veículo saía do município foi interceptado pelos policiais e após as buscas localizaram os materiais ilícitos e seu responsável.

O passageiro disse que viajaria até Gurupi para entregar o revólver a um comprador, mas foi impedido devido à atuação dos policiais. Diante das circunstâncias, o autor, a arma e as munições foram encaminhadas à delegacia para os procedimentos cabíveis.

 

Continue Lendo