Conecte-se conosco

Estado

Parque Estadual do Jalapão completa 18 anos de criação

Nos últimos anos, o parque vem acumulando recordes no volume crescente de visitantes; atração registrou mais de 32 mil visitantes em 2018

Publicados

em

Além das Dunas, com suas areias douradas, outros atrativos se destacam no Jalapão entre os rios, riachos, nascentes e cachoeiras da região, como a Cachoeira da Formiga

Neste sábado, 12, o Parque Estadual do Jalapão (PEJ) completa seu 18º aniversário de criação, aberto à visitação. Nos últimos anos, a unidade vem acumulando recordes no volume crescente de visitantes. Conforme o balanço divulgado pelo Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), o Parque registrou mais de 32mil visitantes em 2018, ultrapassando a soma de 12 mil pessoas a mais que em 2017.

Para proteção das riquezas naturais que atraem estudantes, pesquisadores, turistas e equipes de produção de imagens, no ano passado entrou em vigor o limite de horário de entrada no portal de acesso às dunas. A permissão de entrada que passou a ter início às 14horas se encerra as 17h30, para assegurar o retorno de todos à base até as 18h30, fim do prazo de permanência no local.

No início da semana, o presidente do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), Marcelo Falcão, afirmou que os recursos naturais do Parque e de toda a área do Jalapão, bem como a produção artesanal de suas comunidades são fatores que devem ser considerados nos projetos que propõem o incentivo ao desenvolvimento sustentável da região.

O inspetor de Recursos Naturais do Instituto, Gilberto Iris, esclarece que o Parque abriga diferentes espécies de animais silvestres, com hábitos noturnos. Portanto é preciso estar ciente que é um ambiente totalmente natural, onde as pessoas ficam diretamente em contato com a natureza. Então recomenda o deslocamento em grupo, o respeito às regras que proíbem o porte de acessórios, alimentos e a permanência de pessoas nas dunas após horário de visitas, para segurança de todos.

PEJ

O Parque Estadual do Jalapão pertence à categoria de Unidades de Conservação de Proteção Integral do Estado do Tocantins. Seus mais de 158 mil hectares de área se estendem pelo município de Mateiros, fazendo divisas com os municípios de Ponte Alta do Tocantins, São Felix do Tocantins e Novo Acordo.

Além de pesquisas, são cada vez mais frequentes as solicitações de acessos para utilização desses cenários em produções fotográficas; televisivas como o reality show, novelas, reportagens, publicidade e cinematográficas para locação de filmes.

O PEJ conta com uma brigada de combate a incêndios florestais, inspetores, guarda-parque e servidores administrativos. A estrutura tem duas bases, o centro projetado para abrigar pesquisadores e técnicos e a sede administrativa com o Centro de Capacitação e Educação Ambiental.

Ao longo do ano, a equipe de supervisão do Parque realiza atividades orientadas pela capacitação obtida no projeto Manejo Integrado do Fogo (MIF) para prevenção de incêndios dentro da unidade. Também são realizadas ações educativas, reforçadas nas datas comemorativas do calendário ambiental, como na semana da água, do meio ambiente, as celebrações relacionadas ao bioma cerrado, entre outros. A Área de Proteção Ambiental (APA do Jalapão) desenvolve experiências como o projeto de Manejo de Base Comunitária em parceria com as comunidades da região.

Com participantes selecionados pelo Programa Voluntariado, outras atividades são realizadas na rotina do Parque, havendo a oferta na capacitação do curso para condutores de visitantes. Projeto como de proteção do Pato Mergulhão, espécie ameaçada de extinção é uma das experiências já desenvolvidas na unidade.

Para proteção, a permissão de entrada nas dunas tem início às 14 horas se encerra as 17h30, para assegurar o retorno de todos à base até as 18h30

Jalapão

Além das Dunas, com suas areias douradas, outros atrativos se destacam no Jalapão entre os rios, riachos, nascentes e cachoeiras da região, como a Cachoeira da Velha, a Cachoeira da Formiga, o Fervedouro, entre outros, todos com águas potáveis.

Sua vegetação predominantemente composta por cerrado e campos limpos, possui chapadões e veredas onde podem ser encontrados o buriti e o capim dourado, matérias primas utilizadas na produção do artesanato que gera renda à dezenas de famílias que compõem as comunidades locais.

Mas também existem formações rochosas como o mirante da Serra do Espírito Santo e a Serra da Catedral. Nesse ecossistema são abrigadas diferentes espécies silvestres, podendo ser encontrados veados-campeiros, tamanduás-bandeiras, antas, capivaras, lobos-guarás, gambás, onças, jacarés, raposas, macacos; também existem cobras cascavéis, sucuris e jiboias; e aves como seriemas, papagaios, emas, araras-azuis, urubus e tucanos.

Formações rochosas como o mirante da Serra do Espírito Santo e a Serra da Catedral encantam os visitantes

Voluntariado

Os interessados no agendamento de visitas podem entrar em contato por meio do telefone (63) 3534-1072 ou via email no endereço [email protected] Já os interessados na seleção para trabalhos voluntários podem obter orientação no e-mail [email protected], ou pelo telefone (63) 3218-2678.

 

Estado

Conheça nove tipos de matérias-primas utilizadas pelos artesãos tocantinenses

Publicados

em

As bonecas Karajá “Ritxòkò” foram declaradas patrimônio cultural do Brasil, em 2012, e são uma referência cultural significativa para o povo Karajá

Dia 19 de março é comemorado o Dia do Artesão, data que lembra a importância de homens e mulheres produzirem obras criativas e encantadoras.

Com a instituição da Agência de Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), o Governo busca fomentar e valorizar o trabalho dos artesãos, além de divulgar e exportar as técnicas e os trabalhos realizados.

Para comemorar o Dia do Artesão, listamos abaixo nove tipos de matérias-primas mais utilizadas pelos artesãos tocantinenses.

Babaçu

Da palha do babaçu, espécie de palmeira comum na Região Norte do Brasil, surgem esteiras, chapéus, cestos e uma infinidade de produtos utilizados há muito tempo pelos indígenas e pelos sertanejos tocantinenses.

Buriti

A fibra da palha do buriti é uma excelente matéria-prima para o artesanato. De tão delicada e maleável, essa fibra é também conhecida como seda de buriti. Ela é extraída das folhas novas, ainda fechadas, do buriti. Das mãos de hábeis artesãs surgem bolsas, chapéus, toalhas de mesa, redes, sandálias e bijuterias. A seda do buriti também é utilizada tradicionalmente para costurar o artesanato de capim dourado.

Capim Dourado

O artesanato em capim dourado tem sua origem ligada à comunidade do Mumbuca, povoado do município de Mateiros, sendo mais comum na região do Jalapão. Essa arte tem sido passada de geração em geração há, aproximadamente, 100 anos. Logo depois da criação do Estado, o artesanato em capim dourado passou a ser um dos principais elementos de identificação do Tocantins.

Cerâmica

A cerâmica ganha tons avermelhados, após levada ao forno, sendo transformada em objetos ao mesmo tempo decorativos e utilitários. São jogos de pratos, panelas, jarras, copos, xícaras, entre outros itens que trazem detalhes com desenhos rupestres. Traços, que se destacam pela simplicidade e pela delicadeza, demonstram o zelo dos artesãos e das artesãs tocantinenses.

Outro artesanato muito famoso, feito a partir da cerâmica, é o das bonecas Karajá “Ritxòkò”, que foram declaradas patrimônio cultural do Brasil em 2012 e são uma referência cultural significativa para o povo Karajá. O artesanato é produzido, exclusivamente, pelas mulheres da comunidade da Ilha do Bananal, e tem um valor cosmológico, sendo fundamental para transmitir a cultura do povo para as crianças.

É por meio da brincadeira com as bonecas que as meninas aprendem a ser Karajá. Elas entram em contato com os valores, as histórias e os mitos da sua aldeia, do seu povo. A confecção das Ritxòkò envolve técnicas e modos de fazer considerados tradicionais e transmitidos de geração em geração. A pintura e a decoração das cerâmicas estão associadas, respectivamente, à pintura corporal dos Karajá e às peças de vestuário e adorno, consideradas tradicionais.

Cristal

A região do Tocantins que trabalha com o artesanato de cristal está entre as cidades de Cristalândia, Pium, Formoso do Araguaia e Dueré. Com a descoberta de jazidas de cristal de rocha (quartzo) em 1940, surgiram muitos garimpeiros nessas localidades, promovendo o desenvolvimento desses municípios. Cristalândia, por exemplo, é conhecida como cidade dos cristais, sendo referência na confecção de peças à base de cristal de rocha.

O quartzo é um mineral abundante e pode ser utilizado na confecção de joias, objetos ornamentais, enfeites, cinzeiros, colares, pulseiras, pequenas esculturas e uma infinidade de peças artesanais, decorativas e utilitárias.

Jatobá

A utilização do jatobá na confecção de artesanato é comum na região norte e central do Tocantins. As cascas e sementes junto com pedaços de madeira, bucha vegetal e retalhos de pano, produzem estatuetas ou bonecos que impressionam por seu significado, retratando as cenas mais típicas do cotidiano do interior do Estado.

A árvore, que pode ser encontrada na Amazônia, no Cerrado, no Pantanal e também na Mata Atlântica, chega aos 40 metros de altura. O nome vem do Tupi, e quer dizer árvore com frutos duros.

No Tocantins, artesãos aproveitam a vegetação típica do Cerrado para fazer bolsas, chapéus, bijuterias, bonecos e uma diversidade de produtos. O fruto do jatobá, descartado pela natureza, é reciclado e transformado em verdadeiras obras de arte, retratando um pouco do artesanato regional produzido a partir de frutos, sementes e folhas de árvores e plantas típicas da região.

Madeira

O artesanato em madeira usa como base para a produção de madeiras regionais, pallets e outras madeiras reaproveitadas que podem dar origem a balanços de madeira, prateleiras, chaveiros, porta-canetas, porta-chaves, miniaturas de animais regionais, e diversos outros tipos de souvenirs e peças artesanais. O leque de opções que a madeira possibilita, na criação de produtos, é enorme. Está presente nos artesanatos produzidos em Gurupi, Palmas, Pindorama, Píum, Araguaína, Guaraí, Colinas, entre outros.

Ouro

Na primeira metade do século XVII, teve início a exploração do ouro no antigo norte de Goiás, hoje Tocantins. Importante fator de desenvolvimento de uma região até então pouco habitada, o ouro deixou importantes raízes no Estado, especialmente em Natividade, onde, até nos dias atuais, é produzido um tipo de artesanato herdado dos portugueses: a confecção de joias artesanais em filigrana. A arte é repassada aos jovens da cidade por meio dos mestres de ourivesaria.

As famosas filigranas de Natividade são criadas por meio de um trabalho ornamental feito de fios de ouro finíssimos e pequeninas bolas, soldadas de forma a compor um desenho.

Palha de Milho

A palha de milho é uma excelente matéria-prima para a produção de artesanato, pois é fácil de trabalhar e permite a produção de uma grande variedade de objetos. Exige, como em qualquer atividade artesanal, a criatividade do artesão. Esse tipo de artesanato está presente no distrito de Taquaruçu, onde artesãos e artesãs tocantinenses criam bonecas, flores naturais e uma diversidade de peças.

Continue Lendo

Estado

Candidatos empossados para o Sistema Penitenciário destacam compromisso do Governo e falam sobre expectativas

Posse dos 202 aprovados no concurso iniciou nesta segunda-feira,18, candidatos têm até 30 dias para apresentarem a documentação exigida na Secad

Publicados

em

Posse dos candidatos aprovados no concurso do Sistema Penitenciário do Tocantins iniciou nesta segunda-feira, 18

 

A partir desta segunda-feira, 18, candidatos aprovados no concurso da Defesa Social, atual Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), se apresentam para tomar posse na Secretaria de Estado da Administração (Secad). São 202 aprovados e nomeados que terão até 30 dias ininterruptos, a partir da data da nomeação, para apresentarem a documentação exigida e se tornarem servidores públicos efetivos.

Posse dos candidatos aprovados no concurso do Sistema Penitenciário do Tocantins iniciou nesta segunda-feira, 18

O ato de nomeação foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) n° 5.315, de 11 de março de 2019, convocando os 202 candidatos a comparecem na Secad, a partir do dia 18 do corrente mês. A publicação dessa convocação consolidou o compromisso do Governo, ora acordado com a comissão dos aprovados no concurso.

Segundo o presidente da Comissão dos Aprovados no Concurso da Defesa Social, Paulo César de Sousa, o Governo honrou com todos os seus compromissos. “Lutamos e articulamos bastante com o governador Mauro Carlesse, e ele nos prometeu o curso de formação para os agentes no cadastro reserva e cumpriu ainda em setembro de 2018. Em seguida, se comprometeu com a posse dos aprovados na medida do possível, e conseguiu nomear 202 candidatos. Foi uma notícia maravilhosa para todos na comissão”. Destacou.

Durante assinatura do termo de nomeação, o governador Mauro Carlesse desejou boas-vindas aos novos servidores públicos em processo, e destacou que o sucesso da convocação está diretamente ligado à atual reforma administrativa, que está permitindo que a Gestão reduza gastos e enquadre o Estado na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), além de seguir pagando os servidores em dia. “Sei que hoje é um dos dias mais importantes na vida de vocês, e sei também que estão preparados para prestar um serviço eficiente para a nossa população”, afirmou o governador ao relembrar sua meta de melhoria na qualidade de prestação de serviços oferecidos à sociedade.

O aprovado Vinícius Moura de 25 anos, residente na cidade de Gurupi, chegou logo cedo para tomar posse e expressou seu contentamento em ingressar no serviço público. “Eu sou efetivamente um Técnico de Defesa Social agora, concursado e estabilizado, que pode dar uma vida melhor para minha família. O próximo passo é entrar no sistema penitenciário, fazer o melhor trabalho possível e ser um bom servidor”. Concluiu.

 

Continue Lendo

Estado

MPE recomenda a três secretarias estaduais a escuta especializada de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual

Publicados

em

O Ministério Público Estadual (MPE) expediu, no último dia 12, uma recomendação conjunta aos secretários estaduais das áreas de Saúde, da Educação e do Trabalho e Assistência Social, orientando que as três pastas adotem um fluxo de trabalho uniforme em nível estadual, referente aos casos de abuso e violência sexual que envolvam crianças e adolescentes.

A intenção do Ministério Público é evitar que, a partir da identificação dos casos, as vítimas precisem relatar diversas vezes, aos profissionais de cada órgão, a situação de abuso ou violência, revivendo a situação de sofrimento e trauma.

A recomendação é fundamentada na Lei Federal nº 13.431/2017, que estabeleceu o serviço de escuta especializada para as crianças e adolescentes, que deve se dar por meio de entrevista em local apropriado perante um dos órgãos da rede de proteção.

Além de orientar por um fluxo uniformizado, a recomendação também indica que sejam estruturados nos hospitais regionais do Estado um espaço reservado ou específico para o atendimento destas vítimas, onde ocorra o diagnóstico e o tratamento de lesões, o serviço de profilaxia, a escuta especializada e demais procedimentos necessários, prévios ao encaminhamento das vítimas ao órgão de medicina legal.

Atualmente, apenas Palmas e Porto Nacional possuem unidades de saúde com espaços específicos para o atendimento a essas vítimas. Ainda assim, o atendimento não é plenamente articulado com os demais órgãos da rede de proteção.

A recomendação é assinada pelo promotor de Justiça criminal Sidney Fiori Júnior; pela promotora de Justiça regional da Educação, Zenaide Aparecida da Silva; e pela Promotora de Justiça de Saúde da Capital, Maria Roseli de Almeida Pery.

Continue Lendo