Conecte-se conosco

Brasil

Papa expulsa do sacerdócio ex-bispos chilenos acusados de abusos

O papa Francisco expulsou do sacerdócio neste sábado (13) os ex-bispos chilenos José Francisco Cox, de 85 anos, da cidade de La Serena, e Marco Antonio Órdenes Fernández, de 54 anos, de Iquique, ambos acusados de abusos sexuais.

Publicados

em

O papa Francisco expulsou do sacerdócio neste sábado (13) os ex-bispos chilenos José Francisco Cox, por abusos sexuais

O papa Francisco expulsou do sacerdócio neste sábado (13) os ex-bispos chilenos José Francisco Cox, de 85 anos, da cidade de La Serena, e Marco Antonio Órdenes Fernández, de 54 anos, de Iquique, ambos acusados de abusos sexuais.

O Vaticano informou que o pontífice “renunciou do estado clerical” Cox e Órdenes, medida que os expulsa do sacerdócio, depois de terem sido submetidos a uma investigação da Congregação para a Doutrina da Fé. Não cabe recurso.

Essas duas expulsões se somam às dos sacerdotes chilenos Fernando Karadima Fariña e Cristián Prech, que foram confirmadas nas últimas semanas.

“A decisão foi tomada pelo papa Francisco em 11 de outubro e não admite recurso”, acrescentou o Vaticano, que comunicou a medida aos dois bispos eméritos.

Cox está aposentado desde 2002 na cidade alemã de Vallendar, e tinha sido acusado de abusos sexuais contra menores de idade no Chile. Recentemente, foi divulgado um novo caso na Alemanha.

Em 2002, foi transferido a um mosteiro na Alemanha para viver uma vida de “silêncio, oração e penitência”, quando começaram a circular as primeiras acusações.

No caso de Órdenes, o papa Bento XVI já tinha aceitado em 2012 a renúncia do bispo de Iquique, que a apresentou após ter sido acusado de abusos sexuais contra um menino.

No começo do ano, a Justiça chilena arquivou o caso sobre a acusação de estupro contra um menor, o que não parece ter sido levado em conta pela Doutrina da Fé na sentença. De acordo com o porta-voz do Vaticano, Greg Burke, a medida dá sequência à “linha dura do papa Francisco em relação aos abusos”.

 

EBC

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Justiça de Goiás bloqueia bens de Marconi Perillo e de ex-secretário

A decisão atendeu a pedido do Ministério Público Estadual, em denúncia de irregularidade na edição de um decreto sobre o pagamento de diárias a integrantes do governo estadual. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (15) pelo MP-GO.

Publicados

em

A Justiça Estadual de Goiás determinou o bloqueio dos bens do ex-governador do estado Marconi Perillo e do ex-secretário de Fazenda João Furtado de Mendonça Neto. A decisão atendeu a pedido do Ministério Público Estadual, em denúncia de irregularidade na edição de um decreto sobre o pagamento de diárias a integrantes do governo estadual. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (15) pelo MP-GO.

Segundo a decisão da juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual Patrícia Dias Bretas, deverão ser bloqueados valores no limite de até R$ 7,6 milhões. O parâmetro corresponde à soma do valor considerado desviado pela Justiça (R$ 2,54 milhões) com a multa correspondente ao dobro da quantia desviada.

De acordo com o pedido do MP-GO, Marconi Perillo teria incorrido em irregularidade em uma decisão do governo do estado que permitiu aumento de 25% das diárias do governador, secretários e assessores, bem como pagamento retroativo. Pelas contas do Ministério Público, a medida teria causado prejuízo de R$ 2,5 milhões aos cofres públicos.

O promotor autor da denúncia, Fernando Krebs, solicitou a revogação da norma e condenação por improbidade administrativa com o o ressarcimento do prejuízo, multa de R$ 3 milhões e mais indenização de R$ 7 milhões por “dano moral coletivo difuso”. Na ação, foram incluídos também questionamentos sobre o respeito aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, bem como sobre deficits orçamentários que teriam sido deixados na época da gestão de Perillo.

 

EBC

Continue Lendo

Brasil

Fachin arquiva inquérito sobre Zeca do PT e Blairo Maggi

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou o arquivamento do inquérito aberto na Corte para investigar o deputado Federal Zeca do PT (MS) e o ministro da Agricultura e ex-governador de Mato Grosso, Blairo Maggi.

Publicados

em

O arquivamento atende a pedido feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A decisão foi assinada na quinta-feira (11).

O inquérito foi aberto no ano passado com base em depoimentos de delação premiada dados por ex-diretores da empreiteira Odebrecht, que relataram supostas “vantagens não contabilizadas a pretexto da campanha eleitoral” em 2006, quando os acusados eram governadores em seus estados.

Ao analisar o caso, Raquel Dodge afirmou que, após 12 anos dos supostos fatos, não se vislumbram novas diligências para basear uma eventual ação penal e não há indícios das supostas condutas.

“Como se observa, após a realização de diversas diligências investigativas, não se obteve êxito na produção de lastro probatório apto à deflagração de ação penal efetiva e com perspectiva de responsabilização criminal dos investigados”, disse a procuradora-geral.

 

EBC

Continue Lendo

Brasil

TSE convoca campanhas dos presidenciáveis para debater notícias falsas

A reunião deve ocorrer nesta terça-feira (16)

Publicados

em

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, vai se reunir, nesta terça-feira (16), com os coordenadores das campanhas dos candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Na pauta do encontro, previsto para as 18h, em Brasília, estão as notícias falsas veiculadas especialmente nas mídias sociais.

As notícias falsas (fake news, em inglês) entraram na agenda do TSE desde o início da preparação do processo eleitoral. O tribunal chamou os partidos a assinarem um acordo contra as notícias falsas, reforçou a equipe que monitora essa prática e agora tenta um pacto entre os dois candidatos para evitar a disseminação de fake news.

Para os ministros do TSE, as notícias falsas podem abalar a credibilidade do pleito. Haddad chegou a propor um acordo com o adversário para evitar as fake news, mas Bolsonaro recusou, via mídias sociais.

Decisões do TSE têm tirado notícias falsas da internet. Na semana passada, o ministro Luis Felipe Salomão negou um pedido da coligação de Haddad (PT/PCdoB/PROS) para remoção de conteúdo veiculado no grupo do WhatsApp “a Rede – Eleições 2018”.

Para Salomão, as mensagens enviadas pelo aplicativo não são abertas ao público, como acontece nas redes sociais. Nesse caso, segundo o ministro, a comunicação fica restrita a um grupo de pessoas.

 

EBC

Continue Lendo

Notícias