domingo, 20 de maio de 2018
Geral

20/04/2018 ás 08h17

Romilton

Palmas / TO

Projeto de olericultura é ofertado a reeducandos do presídio Barra da Grota
Curso de Olericultura Básica para 15 reeducandos terá 40 horas/aula de ensinamentos teóricos e práticos sobre manejo e preparo da terra e instalação de sistema de irrigação
	 Projeto de olericultura é ofertado a reeducandos do presídio Barra da Grota
Hortas ajudam diversificar a alimentação nas casas penais

A Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota (UTPBG), em Araguaína, inicia nesta segunda-feira, 23, o curso de Olericultura Básica para 15 reeducandos, que será ministrado e certificado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). O curso faz parte do projeto Plantando a Liberdade, implantado no início de março de 2018, na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP), que chega à UTPBG, graças à Vara de Execução Penal de Araguaína, que viabilizou recursos do Conselho da Comunidade para melhorar a produção de alimentos na unidade.


 


O curso terá 40 horas/aula de ensinamentos teóricos e práticos. Os alunos aprenderão sobre manejo e preparo da terra e instalação de sistema de irrigação e serão responsáveis pela ampliação da horta já existente na UTPBG. A atual área cultivada é de apenas 15 canteiros. A partir do curso, serão 50 canteiros produzindo, sendo 21 cobertos. Além de hortaliças diversas já cultivadas, serão plantadas mudas de abóbora, berinjela, beterraba, cenoura, crotalária, feijão, jiló, melancia, mucuna preta, pepino, pimentão, rabanete, repolho, tomate e vagem.


 


“Nosso objetivo é ampliar a horta na unidade, produzindo também raízes, folhas, bulbos e frutos diversos para melhorar e enriquecer a alimentação dos reeducandos e funcionários”, explica Alexandre Calixto da Silva, gerente de Execução Penal da Embrasil Serviços, empresa responsável pela cogestão da UTPBG, em parceria com o Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju).


 


Todos os meses, são servidas mais de 74 mil refeições na UTPBG. “Além de ensinar um ofício aos reeducandos, remindo parte de suas penas, o projeto Plantando a Liberdade é estratégico para a educação alimentar de todos os internos, garantindo alimentos frescos e de qualidade”, conclui Calixto da Silva.


 


Medida terapêutica


 


Segundo o superintendente do Sistema Penitenciário, Hélio Marques, além de ser uma atividade que auxilia na ressocialização dos detentos, as hortas ajudam a reduzir os custos com alimentação nas casas penais. “Essa atividade também funciona como medida terapêutica e de reconstrução de laços sociais do detento, fazendo ele se sentir útil na sociedade”, destaca. (Com informações da Ascom Embrasil)*

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium