Quinta, 16 de agosto de 2018
Geral

09/03/2018 ás 16h53

Romilton

Palmas / TO

Horta da Casa de Prisão Provisória de Palmas é reinaugurada
Com uso de técnicas sustentáveis de cultivo, horta ocupa 2 mil metros quadrados e vai ampliar o acesso dos reeducandos à formação, à profissionalização, à subsistência e à ressocialização
Horta da Casa de Prisão Provisória de Palmas é reinaugurada
Secretário da Seciju, coronel Glauber, planta muda de alface no canteiro inaugural da horta

A manhã desta sexta-feira, 9, foi marcada por uma nova etapa do projeto Plantando a Liberdade na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP). A partir da iniciativa, a área de plantação da horta da unidade prisional, que ocupa 2 mil metros quadrados, ampliará o acesso dos reeducandos à formação, à profissionalização, subsistência e, principalmente, à ressocialização. O projeto Plantando a Liberdade é uma parceria da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), das empresas terceirizadas Embrasil Serviços e Total Alimentação e da 4ª Vara de Execução Penal de Palmas.


Na solenidade de reinauguração do projeto, o gestor da Seciju, coronel Glauber de Oliveira, parabenizou pelo empenho dos servidores e dos parceiros em gerir projetos com viés para o resgate social. “São os projetos que focam na ressocialização, no transcurso de cumprimento da pena, que auxiliam de forma direta na reinserção social do cidadão que infringiu a lei, e diminuem muito o número de reincidência no Sistema Prisional”, declarou, após fazer o plantio de uma muda de alface no canteiro inaugural da horta.


O secretário ainda informou, aos presentes, sobre as melhorias que estão sendo realizadas no Sistema Penitenciário, como a construção do novo pavilhão na CPP de Palmas, cujo canteiro de obras já está instalado. “Investir no melhoramento e na organização das instalações físicas para servidores e os reeducandos é uma prioridade do Governo do Tocantins. Então, estão previstas a inauguração da Esgespen [Escola Superior de Gestão Penitenciária] e do Centro de Atendimento Multidisciplinar [CAM], nessa perspectiva, atendendo nossos servidores”, finalizou.


Horta


Couve, alface, coentro, cheiro verde, salsinha, pimenta, melancia e jiló vão ser os carros-chefe da produção dos reeducandos da CPPP, que terão o plantio comprado pela Total Alimentação, responsável pelas refeições da unidade prisional. “Já arcamos com os custos iniciais da horta e compraremos a produção com 50% do valor de mercado, e continuaremos investindo nos insumos”, explicou a gerente e nutricionista da empresa, Mariana Gualberto. O detento envolvido no projeto receberá uma remuneração mensal de ¾ do salário mínimo e a remição de um dia de pena a cada três dias trabalhados.


Gotejamento


Quanto à irrigação da plantação, será feita de forma artificial pela técnica do gotejamento, e por meio de cisternas utilizará água aproveitada das chuvas e dos ares-condicionados do prédio. Outra vantagem da nova horta é a produção orgânica, livre de agrotóxicos, como explica o gerente de Execução Penal da Embrasil Serviços, Alexandre Calixto. “Esse projeto está sendo tratado de forma muito especial, pois vamos qualificar e capacitar os reeducandos com o viés ambiental da nossa produção, que é oferecer para eles mesmos produtos orgânicos de qualidade”, pontuou Calixto.


O cogestor da unidade também informou que serão ofertados, aos reeducandos, cursos de produção de viveiros, hortaliças e legumes, ministrados e certificados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).


Resgate Social


Na concepção da ressocialização, a mãe de um detento se emocionou durante o lançamento do projeto. “Pra gente que é mãe, não é fácil ver o filho nessa condição, mas saber que existem projetos e pessoas empenhadas em mudar essa realidade faz a gente se alegrar, pois pode ocupar a mente deles e é uma oportunidade de se profissionalizar”, declarou a mãe F.L.P.


O reeducando P.P.S. é pintor e desenvolve seu trabalho auxiliando na pintura de paredes e outras demandas da CPPP. Próximo à finalização da pena, o detento falou sobre a importância e a expectativa de retorno à sociedade. “Conclui o Ensino Médio já dentro do sistema [Prisional]. Aqui também me profissionalizei nos cursos NR 18 e NR 35 [Construção Civil e Segurança na Construção Civil, respectivamente], e agora com a horta vou ter conhecimento sobre plantação, adubo, manejo da terra”, explicou o reeducando, acrescentando que espera ser reintegrado. “Peço a Deus por isso. Estou apto para viver novamente em sociedade”, garantiu.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium