Conecte-se conosco

Brasil

Nos EUA, Bolsonaro se diz preocupado com eleições argentinas

Presidente se reuniu com George W. Bush em Dallas, no Texas

Publicados

em

 

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu na tarde de hoje (15), em Dallas, no estado do Texas, com o ex-presidente norte-americano George W. Bush, que governou os Estados Unidos entre 2001 e 2009. Na saída do encontro, que ocorreu no escritório de Bush, o presidente brasileiro conversou com a imprensa e classificou a reunião de cordial. De acordo com Bolsonaro, eles trataram de vários assuntos, entre eles a crise na Venezuela e as eleições na Argentina.

“Eu rapidamente passei da Venezuela para a Argentina, porque há possibilidade de voltar a senhora ex-presidente [Cristina Kirchner] e, em voltando, nós podemos correr o risco de, dada a economia deles não estar indo bem, e o populismo voltar àquele local, nós termos uma nova Venezuela no sul da América do Sul”, disse o presidente. O país vizinho realiza eleições presidenciais em outubro e o atual presidente, Maurício Macri, deverá disputar a reeleição contra sua antecessora, Cristina Kirchner. Nas pesquisas de intenção de voto, Kirchner tem aparecido à frente do atual mandatário do país.

“Apesar de nós não nos envolvermos na política externa, como cidadão, como patriota, como democrata e amante da liberdade, nós gostaríamos que a Argentina não retrocedesse nessa questão ideológica”, acrescentou Bolsonaro, em referência a uma eventual volta de Cristina Kirchner ao poder.

O presidente brasileiro disse que Bush, como é tradição no país, evitou fazer qualquer comentário sobre o governo atual e voltou a reforçar o desejo de aproximação entre Brasil e Estados Unidos. “É tradição dos ex-presidentes não se envolverem na política atual, nem criticar ou elogiar o presidente de momento, mas o que ele nos falou mostra uma democracia bastante amadurecida aqui, a gente queria que isso chegasse ao Brasil”, disse.

Algumas horas após a reunião, Bolsonaro postou uma foto dos dois em sua página no Twitter e escreveu que o encontro foi “saudável” e “produtivo”. “Na tarde de hoje encontrei-me com o ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em seu escritório no Texas. Uma saudável e produtiva conversa. Seguimos trabalhando e buscando conquistar cada vez mais a confiança do mundo no Brasil”, tuitou.

Guerra comercial

Na rápida entrevista concedida após a conversa com Bush, o presidente Bolsonaro fez ainda um breve comentário sobre a guerra comercial entre China e Estados Unidos. Segundo ele, o Brasil poderá ser beneficiado com a redução de transações de mercadorias entre as duas maiores potências econômicas do planeta.

“Temos um problema pequeno problema econômico entre Estados Unidos e China. Não digo que nós vamos tirar proveito disso, o proveito disso cai naturalmente. Como se fosse pela manobra, nós tivéssemos um ganho nessa guerra comercial que ocorre no mundo todo”, disse.

Na segunda-feira (13), os chineses anunciaram a elevação para 25% nas tarifas de mais de 5,1 mil produtos importados dos Estados Unidos, no total de mais de US$ 60 bilhões. A medida, que passará a valer a partir de 1º de junho, foi uma retaliação da China à decisão dos EUA, na semana passada, de elevar de 10% para 25% as tarifas sobre produtos chineses, totalizando custos adicionais de US$ 200 bilhões sobre as transações comerciais.

Manifestações

Sobre as manifestações que ocorrem em todo país contra o contingenciamento orçamentário na educação, Bolsonaro voltou a criticar os manifestantes, grupo que, segundo ele, é formado por “militantes” políticos, na maior parte. Ele disse que o objetivo do governo é resgatar a educação no país, que  ostenta baixos níveis de avaliação.

“O que eu entendo é que grande parte [dos manifestantes] são militantes. As provas do Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Estudantes], que têm a ver com o ensino fundamental, mostra nossa decadência desde o ano 2000, quando começou esse tipo de prova. Então, o que nós queremos é resgatar a educação, queremos que a garotada, não só do ensino fundamental, mas do ensino médio, em especial, já tenha um curso  técnico. E quem puder fazer um curso superior que tenha um diploma onde realmente esteja apto a exercer aquela profissão”, disse.

Agenda

Jair Bolsonaro ainda participa nesta quarta-feira de um jantar com autoridades e políticos norte-americanos. Amanhã (16), o presidente será homenageado como personalidade do ano pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em almoço organizado pelo World Affairs Council de Dallas/Fort Worth, que contará com a presença de 120 empresários do país. Anteriormente, essa homenagem seria entregue em evento na cidade de Nova York, mas o governo brasileiro cancelou a agenda na cidade após críticas do prefeito nova-iorquino, Bill de Blasio, à visita de Bolsonaro.

Ainda na quinta-feira, o presidente brasileiro concederá uma entrevista ao World Affairs Council de Dallas/Fort Worth e termina o dia fazendo uma transmissão ao vivo em sua página no Facebook. O embarque de volta será na noite de quinta. A previsão é que a comitiva presidencial desembarque de volta em solo brasileiro na manhã de sexta-feira (17).

EBC

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Bolsonaro reitera que pretende indicar Eduardo para embaixada nos EUA

Publicados

em

Na cerimônia que marcou os 200 dias de governo, na tarde desta quinta-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro voltou a comentar sobre a eventual indicação de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Descrevendo a trajetória do filho, o presidente ressaltou sua proximidade com a família do presidente norte-americano, Donald Trump.

“O trabalho de quem é embaixador é ser cartão-de-visitas. Imagine se o Macri [presidente da Argentina] tivesse um filho embaixador aqui. Eu atenderia agora ou pediria ao ajudante-de-ordens para marcar um data futura?”, disse. O presidente ainda lembrou da participação do filho na reunião privada que ele e Trump mantiveram em Washington, em março, quando Bolsonaro realizou uma visita oficial ao país.

Dirigindo-se ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que participava da cerimônia, Bolsonaro disse ter certeza que Eduardo será aprovado na sabatina para o cargo de embaixador, que é realizada pelos senadores, e disse que seria mais fácil nomear o filho como ministro das Relações Exteriores, que dependeria só dele, mas que esse não é o seu objetivo. O presidente, no entanto, ainda não formalizou a indicação.

“Vamos supor, num caso hipotético, Davi. Eu não acredito nisso, até porque a sabatina vai ser feita com rigor, eu tenho certeza disso, e ele [Eduardo] vai ser aprovado”, disse Bolsonaro.

Para ser investido ao cargo de embaixador, o indicado pelo presidente passa por uma sabatina, seguida de votação na Comissão de Relações Exteriores do Senado, que depois aprova ou rejeita a indicação por maioria simples. O processo segue, então, para o plenário do Senado, que toma a decisão final.

Em coletiva de imprensa após a cerimônia, o ministro Onyx Lorenzoni defendeu a indicação de Eduardo Bolsonaro para ser embaixador nos EUA. “A principal função do embaixador é aproximar países e que forma melhor do que o filho do presidente, amigo de Trump [Donald Trump, presidente americano] fazer esse trabalho?”, questionou. Assim como Bolsonaro, o ministro Onyx também demonstrou confiança na aprovação do nome do deputado.

“Primeiro, precisamos da ordem do presidente. Quando ele mandar, enviamos a indicação para a Comissão de Relações Exteriores do Senado e para o plenário da Casa. Se o presidente nos der este comando, não tenho dúvida de que vocês serão convidados para cobrir a posse dele lá”, disse.

Continue Lendo

Brasil

Justiça mantém filhos de Flordelis presos em carceragem de delegacia

Flávio dos Santos e Lucas dos Santos são suspeitos de matarem o pai

Publicados

em

Os filhos da pastora e deputada federal Flordelis (PSD-RJ), Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas dos Santos de Souza, continuarão presos na carceragem da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), por decisão judicial. Eles cumprem prisão temporária, suspeitos pela morte do pai, pastor Anderson de Souza, desde o dia 17 de junho.

As decisões de prorrogação das prisões foram publicadas no Banco Nacional de Monitoramento de Prisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Segundo os advogados, as celas individuais onde Flávio e Lucas se encontram têm pouco mais de dois metros quadrados, sem cama, pia ou vaso sanitário. A polícia argumenta que é importante eles estarem na DHNSG para eventuais esclarecimentos, mas a defesa contesta e aponta as condições inadequadas da carceragem.

“A carceragem é escura e úmida. Não dá acesso básico nem à água para o preso. Eles estão sendo hidratados e alimentados, mas de forma deficiente. É lamentável. A questão é que eles estão acautelados sob a responsabilidade do estado e têm direitos básicos que têm de ser observados e respeitados”, disse o advogado Maurício Mayr, que defende Flávio.

O pastor Anderson foi morto à tiros após chegar em casa, na madrugada do dia 16 de junho. Segundo a polícia, Flávio confessou ter atirado seis vezes no pai e a pistola usada no crime foi encontrada em seu quarto. Mas a defesa negou que ele tenha confessado oficialmente e disse que Flávio não estava na presença de um defensor quando relatou o fato aos policiais. Lucas, segundo a polícia, teria comprado a pistola. Os motivos do crime ainda não foram divulgados.

 

Continue Lendo

Brasil

Petrobras baixa gasolina em R$ 0,03 e diesel em R$ 0,04

Os valores passam a valer a partir de meia-noite desta sexta-feira(19)

Publicados

em

A Petrobras anunciou, nesta quinta-feira (18), uma redução no preço do litro da gasolina de R$ 0,0360 e no litro do diesel de R$ 0,0444. Os valores são referentes aos preços médios dos combustíveis vendidos pelas refinarias aos distribuidores e valem a partir da meia-noite desta sexta-feira (19).

O presidente Jair Bolsonaro informou, em sua conta no Twitter, que a redução [média] foi de 2,1% na gasolina e de 2,2% no diesel.

Os preços variam segundo cada refinaria da estatal, nos diversos estados brasileiros. Os menores valores da gasolina são praticados em São Luís (MA), R$ 1,51; Itacoatiara (AM), R$ 1,55; e Manaus (AM), R$ 1,58. Os maiores valores da gasolina estão nas refinarias de Brasília, R$ 1,81; Senador Canedo (GO), R$ 1,80; e Uberaba, R$ 1,80.

Os menores preços do diesel S500, mais vendido nas estradas, estão em Itacoatiara (AM), R$ 1,93; São Luís, R$ 1,94; Guamaré (RN), R$ 1,96; e Manaus (AM), R$ 1,96. Os maiores valores são os praticados em Senador Canedo (GO), R$ 2,17; Brasília, R$ 2,17; e Uberaba (MG), R$ 2,17.

Segundo a estatal “os preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras têm como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias”.

Combustíveis tipo A

A gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A, ou seja, gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel também sem adição de biodiesel. Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis. Os preços divulgados pela estatal se referem aos produtos tipo A.

Sobre esses valores, vão incidir a margem de lucro das distribuidoras e dos postos de combustíveis, os impostos, que variam de um estado para outro, o custo da mão de obra, entre outras variáveis. A tabela completa com os valores pode ser conferida no site da Petrobras.

Continue Lendo

Notícias