Conecte-se conosco

Geral

Em Palmas: Membro de grupo estratégico da Embrapa apresentará dados sobre produção e preservação no cerrado e Matopiba

Supervisor do Grupo de Gestão Territorial Estratégica da Embrapa fará palestra no seminário “Soja Responsável – Produzindo Com Sustentabilidade Ambiental” a partir das 14h, no auditório da Assembleia Legislativa do Tocantins.

Publicados

em

A convite da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) e da empresa de logística VLI, o supervisor do Grupo de Gestão Territorial Estratégica da Embrapa Territorial, Gustavo Spadotti Amaral Castro, apresentará na próxima segunda-feira, dia 15, em Palmas (TO), dados relevantes sobre os aspectos socioeconômicos e ambientais da produção agrícola no Brasil, no bioma cerrado e na fronteira agrícola do Matopiba, formada por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Ele fará a palestra principal do seminário “Soja Responsável – Produzindo Com Sustentabilidade Ambiental” a partir das 14h, no auditório da Assembleia Legislativa do Tocantins. O encontro é promovido pela Aprosoja Brasil, com apoio da Aprosoja Tocantins e demais instituições do Estado.

Além de autoridades federais, estaduais e municipais, como membros dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente, governos de Estados e prefeituras, o evento reunirá produtores rurais e profissionais do campo de pelo menos seis Estados brasileiros. “Neste evento vamos comprovar com dados que o produtor rural atua dentro da legalidade, preserva o meio ambiente. Aliás, é quem mais preserva. E que o problema dos danos ambientais não pode ser acarretado ao produtor. Queremos conscientizar autoridades, os próprios produtores e principalmente a sociedade em geral sobre esse tema”, afirmou o presidente da Aprosoja Tocantins, Maurício Buffon, que atua na organização e mobilização do seminário, juntamente com o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira.

NÚMEROS

Um dos momentos mais aguardados do evento é a palestra de Gustavo Spadotti, da Embrapa. O membro da Embrapa Territorial apresentará dados específicos sobre a produção no cerrado e Matopiba.

Ele detalhará também números de estudos feitos pela instituição de pesquisa, segundo os quais, o Brasil destina à proteção e preservação da vegetação nativa mais de 66% de seu território e cultiva apenas 7,8% das terras. O dado de produção foi confirmado em levantamento da NASA, a agência espacial norte-americana, que calculou em 7,6% a área com agricultura do País. “A Embrapa mostra, por meio de dados atualizados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que os agricultores, dentro de suas propriedades, destinaram 25,6% do território nacional para preservação ambiental, evidenciando a singularidade de nossa agricultura quanto ao equilíbrio entre produzir e preservar”, afirma Spadotti.

Para efeito de comparação, a Dinamarca cultiva 76,8%, dez vezes mais que o Brasil; a Irlanda, 74,7%; os Países Baixos, 66,2%; o Reino Unido 63,9%; a Alemanha 56,9%. Até 2017, data do estudo, a área da Terra ocupada por lavouras é de 1,87 bilhão de hectares e a população mundial havia atingido 7,6 bilhões, o que resulta, numa conta simples, que cada hectare, em média, alimentaria 4 pessoas.

CARREIRA

Engenheiro agrônomo formado em 2005, mestre e doutor em agricultura pela Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP/Botucatu, ele atuou como professor em universidades particulares e pesquisador em empresas de fertilizantes. É, desde 2012, analista da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Integrou por quatro anos o setor de Transferência de Tecnologia da Embrapa Amapá, onde foi supervisor do Setor de Prospecção e Avaliação de Tecnologias (SPAT). Em 2015 transferiu-se para a Embrapa Monitoramento por Satélite, dentro do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica (GITE). Desde 2017 é supervisor do Grupo de Gestão Territorial Estratégica (GGTE) da Embrapa Territorial, coordenando equipe de 9 analistas e pesquisadores nos projetos: Macrologística Agropecuária, Cadastro Ambiental Rural e Sistema de Inteligência, Gestão e Monitoramento dos Cerrados. É revisor de 23 revistas científicas e agências de fomento. Publicou 61 artigos em revistas indexadas, 7 capítulos de livros e apresentou mais de 130 palestras e trabalhos técnico-científicos em eventos nacionais e internacionais. (Com informações da Embrapa Territorial)

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Opinião: Por que tantos conflitos?

Publicados

em

Essa é uma pergunta que muitas vezes nos fazemos ou não. O conflito é algo tão arraigado em nós, que vivenciamos conflitos diuturnamente e os encaramos como algo que já faz parte do nosso cotidiano. Afinal, quem nunca vivenciou um conflito?

Podemos apontar como várias as causas que levam o indivíduo a experimentar um conflito, visto que os enfrentamos quando crianças, jovens, adultos ou idosos com os nossos pais, irmãos, familiares, amigos, vizinhos, parceiros, estranhos, conosco mesmos…Ufa!

Pois bem! Então: o que seria um conflito? Quando nos deparamos diante da vontade desejada por um e resistida por outro ou por si mesmo, falamos que está instaurado um conflito. Importante lembrar que essas diversas opiniões sobre um mesmo fato é que gera um conflito. A sociedade moderna preza pela velocidade das informações, a ausência de diálogo e o egoísmo ou egocentrismo exacerbado. Esses são alguns fatores que desencadeiam em um litígio.

Seis ou nove? Depende! Ambos têm razão e está tudo certo. Só é preciso exercitar o diálogo para que se chegue ao meio. Dizia Aristóteles, o meio termo está na virtude (a ética do meio termo aristotélica). Nem a falta e nem o excesso. Praticando a generosidade e deixando de lado o egoísmo, ensina o saudoso Flávio Gikovate, encontramos o justo.

Assim, surgidas em meio à semente da ética do filósofo grego, atualmente dispomos de diversas ferramentas de pacificação na resolução de conflitos. Objetivando propagar a cultura da paz, técnicas de aperfeiçoamento do diálogo entre as pessoas permeiam a sociedade hodierna e só não faz uso quem não quer. É bem verdade que se trata de uma cultura que ainda está sendo implantada cérebro abaixo na cabeça dos indivíduos.

Conciliação, mediação, constelação familiar, hipnose, programação neurolingüística (PNL), terapia familiar sistêmica, justiça restaurativa, hoponopono, barra de acess, regressão, thetahealing, psicanálise (de Freud, de Lacan etc), terapia cognitivo-comportamental (TCC), terapia de análise corporal (o corpo fala), microfisioterapia, yoga…(é muita coisa!). E ainda assim, vemos arraigada a cultura da judicialização: eu não consigo resolver meus problemas e preciso que um terceiro “imparcial” decida por mim.

Engana-se quem acha que são métodos alternativos de resolução de conflito. São verdadeiramente métodos ADEQUADOS de pacificação. Mais uma vez, se equivoca quem acha que eles são mais céleres que o Judiciário, afinal é possível a realização de algumas sessões nas câmaras de mediação que levariam mais tempo para por fim a uma determinada lide do que a boa e velha canetada do magistrado.

São métodos que empoderam as pessoas, isso sim! Mostram a elas que são capazes de resolver seus problemas sem a intervenção de um terceiro que nem de longe é imparcial. Nem neutro, perdoem-me os processualistas civis. O juiz é um ser humano e como tal, ele vivencia sentimentos e emoções muitas vezes trazidos pelas partes e dificilmente ele consegue apertar o botão para desligar-se das suas vivências e julgar com frieza uma demanda que chega a sua Vara.

Voltamos ao tempo de ensino. Ensinam-se as pessoas a dialogarem. A comunicação não violenta de Marshall nos diz que devemos exprimir nossas observações, sentimentos, necessidades e fazermos um pedido específico e realizável. Parece simples, mas não é! Tomados por sentimentos ou emoções que roubam a alma, toda e qualquer racionalidade diante de um conflito não existe. Alegam os psicólogos que numa discussão entre um casal, um não escuta o outro, pois, enquanto um fala, o outro formula em seu cérebro a sua defesa. Triste! E assim, famílias se desfazem porque os pais não souberam dialogar.

Em razão desse cenário, eis que surge o Direito Sistêmico, voltado para a aplicação das leis sistêmicas de Bert Hellinger, as leis do amor: ordem, pertencimento e equilíbrio (dar e receber). Há quem defenda a quarta lei que seria a aceitação. A advocacia sistêmica aparece como um diferencial, pois o advogado deseja não apenas atender a questão jurídica do seu cliente, mas também cuidar de suas feridas, do conflito que está por trás daquele aparente.

É comum nas Varas de Família, uma ação de partilha de bens não se resumir à simples divisão do patrimônio do casal e sim à vingança daquele cônjuge que foi abandonado ou trocado por outra pessoa. E o Poder Judiciário é o único canal que eles conseguem visualizar para despejar todos os seus sentimentos negativos sobre o outro. Toda a história de amor é esquecida, é apagada da memória. E o pior, muitos casais apenas repetem padrões de seus sistemas e por isso, a relação não dá certo. Não dá porque não era pra dar mesmo. Obra do universo que conspira contra ou à favor, conforme tem que ser.

Crenças religiosas à parte, as pessoas precisam aprender que toda vez que uma casa cai, têm-se duas opções: ou morrem soterradas em seu processo de vitimização, amarradas a um passado amargurado, cheio de um veneno que só leva à morte a elas mesmas, ou constroem-se pontes para um futuro surpreendente, para um renascimento, para a descoberta fascinante de muitos mistérios.

O universo pôs à disposição as ferramentas necessárias e fica o convite para as pessoas serem livres ou não. No meu ponto de vista, a libertação e o reencontro com o seu próprio eu superior não tem preço.

 

*Elisa Maria Pinto de Souza Falcão Queiroz
Defensora Pública

Continue Lendo

Estado

COSEMS-TO informa: há vagas para 44 médicos em 23 cidades do Tocantins

Publicados

em

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Tocantins (COSEMS-TO) divulgou nesta terça-feira, 06, a disponibilidade de 44 vagas para médicos em 23 municípios tocantinenses. O levantamento quinzenal foi realizado pela equipe de apoiadores do Conselho, que está presente nas oito regiões de saúde do Estado. A validade das vagas vai até o dia 22 de agosto ou dependendo do preenchimento da vaga disponível.

Para saber mais informações o profissional interessado (a) pode verificar o contato dos Secretários ou Secretárias Municipais na tabela abaixo. Já a distância dos municípios até a Capital você pode conferir clicando AQUI.

Vagas:

COSEMS-TO
DIVULGAÇÃO EM 06/08/2019
VALIDADE DAS INFORMAÇÕES ATÉ 22/08/2019
Cidade Habitantes Vagas Função Contato Responsável
1 Araguacema 7016 1 Médico (63) 98467-6252 Cleitonet Pereira Rocha
2 Arraias 10.601 1 Médico (62) 99985-2416 Claudiney Pereira
3 Araguaína 177.517 18 Médico (63) 99949-8632 Valéria
4 Araguanã 5.663 1 Médico (63) 99201-6999 Iracema Lopes
5 Babaçulândia 10.662 2 Médico (63) 98454-8372 Lilian Pereira Costa
6 Darcinópolis 6.018 1 Médico (63) 99953-5399 Antônia Rodrigues
7 Campos Lindos 9.917 1 Médico (63) 99226-0761 Eliaquim Ferreira
8 Couto Magalhães 5.536 1 Médico (63) 98468-7276 Uelder Fernandes
9 Goiatins 12 942 1 Médico (63) 99975-8314 Cleane Machado
10 Guaraí 25 677 1 Médico (63) 84639253 Marlene de Fátima
11 Lagoa do Tocantins 4.237 1 Médico (63) 99257-0665 Mauro Rogerio
12 Miranorte 13.375 2 Médico Plantonista P/ Hospital (69) 98141-3166(63)98474-2418 Raimundo Dias
13 Pedro Afonso 13 380 1 Médico (63) 34662441 Daniel Felipe
14 Pequizeiro 5.443 1 Médico (63)98409-0580 Sherlla Monsione
15 Peixe 11.623 1 Médico (63) 98439-5121 Juliana  Dias Pinheiro
16 Piraquê 3.023 1 Médico (63) 99269-2791 Paulo Sergio
17 Santa Fé do Araguaia 7 426 1 Médico (63) 99253-1918 Abdiel Ribeiro
18 Tocantínia 7 471 1 Médico (61) 99261-6909 Debora
19 Taguatinga 16 538 3 Médico (63) 99232-0178 Sirlene Pereira
20 Riachinho 4.604 1 Médico (63) 99228-6384 José Nelson
21 Nazaré 4 386 1 Médico (63) 99966-6586 Arley Matias
22 Itaguatinga 5.896 1 Médico (63)99216-3285 Luziane de Oliveira
23 Luzinopolis 3.060 1 Médico (63) 99234-4628 José Junior
Total 44  
Continue Lendo

Geral

Corpo de Bombeiros Militar e Ciopaer realizam buscas a idoso desaparecido na região norte de Palmas

Família não tem contato com o patriarca desde a tarde de segunda-feira, 15, e pede apoio da comunidade na identificação do idoso

Publicados

em

Uma lancha de resgate do Corpo de Bombeiros Militar (CBM) e o helicóptero da Companhia Independente de Operações Aéreas (Ciopaer) realizaram buscas no Lago de Palmas e sobrevoaram as propriedades na região de chácaras no norte de Palmas a procura de um idoso que está desaparecido desde segunda-feira, 15. A ação foi solicitada pela família de Antônio Pinto de Aguiar, 72 anos.

Segundo Dirce Barbosa de Aguiar, filho do idoso, ele perde a memória quando toma medicação. Era por volta de 15h30, de segunda-feira, quando foi notada a ausência de Antônio Aguiar. A família explica que ele estava na região do Rancho Diamante, na via de acesso ao Residencial Polinésia. Desde então não foi mais visto.

No meio da tarde, uma lancha da Companhia Independente de Busca e Salvamento (CIBS), do CBM, percorreu mais de 7 km próximo à margem onde há vários condomínios e chácaras, à procura do idoso. Sem sucesso, a equipe solicitou apoio do helicóptero. A aeronave sobrevoou a região e também não teve êxito.

A família pede apoio da comunidade na identificação de Antônio Pinto de Aguiar. Caso haja informações, o contato é Dirce Barbosa, no celular 63.98127 8083.

 

 

Continue Lendo

Notícias